07 abril 2015

[107] RESENHA: LARANJA MECÂNICA






Autor: Anthony Burgess
Páginas: 352
Editora: Aleph 






Sinopse:
Laranja Mecânica - Publicado pela primeira vez em 1962, e imortalizado 9 anos depois pelo filme de Stanley Kubrick, Laranja Mecânica não só está entre os clássicos eternos da ficção como representa um marco na cultura pop do século 20. Meio século depois, a perturbadora história de Alex – membro de uma gangue de adolescentes que é capturado pelo Estado e submetido a uma terapia de condicionamento social – continua fascinando, e desconcertando, leitores mundo afora.


Minha Opinião:
Laranja Mecânica é provavelmente um dos livros mais instigantes que já li. Digo isso porquê a história nos pega de um jeito inexplicável. 

A história tem como foco a vida e as atrocidades realizadas por Alex e sua gangue. Alex é o tipo de anti-herói que todos nós criamos uma enorme empatia. Ele é inteligente, muito culto e tem até mesmo um próprio dialeto, conhecido como Nadsat. O mais incrível sobre esse dialeto é que nós vamos nos habituando com ele ao decorrer da leitura, por isso recomendo que a quem for ler, não fique consultando o glossário. Isso só vai fazer com que você perca o foco da história. Garanto que embora haja dificuldade de compreensão no início, logo logo nos acostumamos e já sabemos do que ele está falando.

O mais fascinante sobre o livro é a enorme mensagem de livre-arbítrio que todos nós temos. O livro aborda justamente quando somos condicionados a fazer algo sem ter uma escolha que é o que acontece com Alex logo após que ele é pego pela polícia e decide fazer parte de um experimento do governo onde ele será condicionado a ter um bom comportamento.

Isso é alcançado, mas às custas de sua liberdade de escolha. Alex como ser racional tinha a capacidade de distinguir o certo do errado, e assim, fazer escolhas sensatas. Mas o seu bom comportamento se dá porque sempre que ele pensa em fazer algo errado e violento, ele sofre fortes enjoos e náuseas.

Isso me remete também o trecho de uma música da Marina And The Diomonds onde ela diz "Nós podemos ser maus assim como podemos ser bons" exaltando justamente a nossa capacidade de discernimento.

Laranja Mecânica pode ser usado facilmente como objeto de estudo e discussões. É um livro que recomendo a todos!


0 comentários:

Postar um comentário